E-News 2015: Doença de Chagas

O parasita que causa a doença de Chagas é transmitido pelo “barbeiro” e também por meio de transfusão de sangue, transplante de órgãos e de forma congênita. A doença é endêmica em 21 países da América Latina, onde 70 milhões de pessoas estão em risco. Estima-se que 6 milhões de pessoas estão infectadas na região e o número de pacientes cresce em países não endêmicos e de alta renda. Embora os tratamentos disponíveis hoje (benznidazol e nifurtimox) sejam eficazes, existem desvantagens, incluindo os longos períodos de tratamento e os efeitos secundários. Hoje, estima-se que menos de 1% de pacientes são tratados.

O portfólio atual de projetos para a doença de Chagas da DNDi inclui:
 
Um projeto em fase de investigação:
 

• Chagas H2L (da identificação à otimização de moléculas bioativas): O projeto avalia protótipos identificados a partir de processos de triagem e início do processo de otimização de novas séries químicas. Se atividades promissoras forem demostradas em modelos in vivo para a doença de Chagas, a série avança para os programas completos de otimização de compostos líderes. Este processo de identificação de agente ativo está em andamento com várias séries de várias empresas farmacêuticas.

Três projetos estão em fase translacional de pesquisa
 

• Novos regimes / combinações de benznidazol: de 2011 a 2013, a DNDi e seus parceiros realizaram um estudo de prova de conceito avaliando três regimes diferentes de fosravuconazol, um novo medicamento candidato da classe composto azóico, por um lado, e benznidazol, por outro lado, em um estudo duplo-cego controlado com placebo. Este estudo confirmou prospectivamente a eficácia do benznidazol na doença de Chagas crônica indeterminada, mas não conseguiu demonstrar uma eficácia sustentada para qualquer regime de fosravuconazol. Para otimizar os regimes de benznidazol em combinação com o fosravuconazol, foi realizado um estudo de interação de medicamentos (DDI) para demonstrar a segurança da administração de ambos os medicamentos juntos, em Buenos Aires, Argentina. Vinte e oito voluntários humanos saudáveis foram recrutados e o teste foi completado sem problemas de segurança significativos ou tolerabilidade clinicamente relevante identificados. Na sequência deste estudo DDI, a DNDi está realizando atividades preparatórias para um estudo de prova de conceito que avaliará as novas doses e durações de benznidazol selecionado simultaneamente em monoterapia e regimes de combinação de benzonidazol/fosravuconazol. O estudo será realizado na Argentina e na Bolívia, e contará com cerca de 200 pacientes.
• Fexinidazol: O estudo Fase II de prova de conceito de fexinidazol com uma nova entidade química (NCE) foi iniciado em 2014 em Cochabamba e Tarija, na Bolívia. Em total, 180 pacientes foram selecionados para participar do estudo e 47 foram de fato incluídos. O estudo foi interrompido devido a questões de segurança e tolerabilidade.
• Biomarcadores: Estudos pré-clínicos estão em curso para identificar e validar potenciais biomarcadores biológicos da resposta terapêutica em pacientes com doença de Chagas de forma a apoiar o desenvolvimento clínico.

Aplicação e acesso ao tratamento:
 
Junto com a Coalizão Global de Chagas e outros protagonistas, a DNDi apoia de maneira ativa os países endêmicos para desenvolver políticas e mecanismos com o objetivo de aumentar o acesso ao diagnóstico e tratamento com as terapias existentes dos pacientes com doença de Chagas. Cinco regiões piloto foram identificadas para implementar estudos operacionais e avaliação de novos modelos de intervenção em colaboração com os programas nacionais.
 
Do seu portfólio específico para a doença de Chagas, a DNDi tem como objetivo desenvolver:
 
-Um novo regime de de benzonidazol em monoterapia para pacientes com doença de Chagas crônica
-Um novo regime de tratamento combinado de benzonidazol e fosravuconazol para pacientes com doença de Chagas crônica