DNDi apoia testagem universal de hepatite C em gestantes durante o pré-natal

Terminou na última segunda-feira (06) consulta pública organizada pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias do Sistema Único de Saúde (CONITEC), que propunha a inclusão da testagem universal de hepatite C (VHC) em mulheres grávidas durante a rotina pré-natal. A Iniciativa Medicamentos para Doenças Negligenciadas (DNDi) apoia os esforços do SUS para fortalecimento do diagnóstico da VHC, pois entende o rastreamento como um eixo importante dentro da estratégia de eliminação da doença. Leia abaixo os principais pontos da contribuição da DNDi encaminhada à CONITEC:

  • A DNDi endossa a implementação do programa para rastreamento de gestantes e recém-nascidos, uma vez que, após a exitosa prática de detecção e prevenção da transmissão da hepatite C em bancos de sangue, a transmissão congênita é a principal forma de contágio da doença em crianças.
  • Apesar da falta de evidência científica que corrobore a segurança do tratamento com antivirais de ação direta em gestantes, já existem pesquisas promissoras em curso que podem mudar esse paradigma num futuro próximo. É importante estabelecer estratégias de rastreamento que garantam maior detecção de casos de hepatite C em mulheres grávidas e o seguimento dos recém-nascidos para que, quando estas ferramentas terapêuticas estejam à disposição, já tenha uma maior compreensão epidemiológica da doença.
  • O possível impacto orçamentário do aumento de casos de VHC é bem menor do que o estipulado pelo relatório técnico da CONITEC. O documento levou em consideração o custo do tratamento combinado de Sofosbuvir/Daclatasvir adquirido em compras não centralizadas (R$ 39.086,04), entretanto seria aconselhável utilizar os valores das últimas aquisições centralizadas pelo Ministério da Saúde (US$ 2.450). O mesmo ocorreu com a combinação Sofosbuvir/Velpatasvir: foi estimado o montante de R$ 53.676,00 no relatório, mas o custo da aquisição centralizada, com base no pregão de 105/2018, chegou a R$ 5.439,00 (US$ 1.470,00, com taxa de câmbio de R$3,70). Já no pregão 56/2020, os valores do tratamento corresponderam a R$8.050,00 (US$ 1.419,75, com taxa de câmbio de R$5,67).
  • Em 2016, a DNDi adotou uma estratégia para eliminação da VHC como problema de saúde pública baseada em três pilares: esforços em pesquisa e desenvolvimento, iniciativas para simplificar modelos de cuidado e a mobilização política para garantir o acesso universal a tratamentos seguros, eficazes e acessíveis. A inclusão da testagem universal de hepatite C para gestantes e recém-nascidos representaria um maior protagonismo do Brasil na detecção e no tratamento da doença na América Latina, principalmente entre populações mais vulneráveis. Ademais, a incorporação pode inspirar políticas regionais, ser recomendada pela Organização Pan-Americana da Saúde e, por fim, contribuir para assegurar o “acesso universal aos serviços de saúde sexual e reprodutiva, bem como sua integração em estratégias e programas nacionais” (Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, 2015, 3.7).