Fundo GHIT amplia apoio a programas de drug discovery para a doença de Chagas da DNDi

Financiamento adicional de 118 milhões de ienes (895 mil euros) será direcionado a três projetos de pesquisa e triagem de novas moléculas

GENEBRA, SUÍÇA – 4 DE NOVEMBRO DE 2021 – A Iniciativa Medicamentos para Doenças Negligenciadas (DNDi) celebra a renovação do compromisso do Global Health Innovative Technology Fund (Fundo GHIT), do Japão, com nossos programas de drug discovery para doença de Chagas.

Precisamos com urgência de tratamentos para a doença de Chagas que sejam mais seguros, simples e eficazes. Existem apenas dois medicamentos disponíveis para o tratamento da doença, ambos descobertos há meio século. Apesar de eficazes em alguns pacientes, os tratamentos existentes duram oito semanas e às vezes têm efeitos sérios colaterais.

O primeiro projeto dá continuidade à pesquisa anterior apoiada pelo GHIT com mais de 500 genes do Trypanosoma cruzi (T. cruzi), o protozoário parasita que causa a doença de Chagas, e que levou à identificação de 25 alvos moleculares essenciais para o ciclo de vida do T. cruzi. Cada uma dessas 25 entidades foi examinada em profundidade para determinar se poderiam ser alvos para medicamentos contra a doença, resultando na seleção do fator regulador da autofagia do T. cruzi como um possível alvo para futuros tratamentos da doença de Chagas.

As equipes da DNDi trabalharão junto com o National Institute of Advanced Industrial Science and Technology (AIST), do Japão, para obter compostos hit que posteriormente possam ser desenvolvidos em novos medicamentos anti-T.cruzi que atuem contra o alvo selecionado. Serão usados dois processos de seleção diferentes, mas complementares: uma abordagem de descoberta de novas moléculas baseada em fragmentos (fragment-based drug discovery, FBDD) e uma análise de uma biblioteca de compostos ativos contra o T. cruzi identificados a partir da triagem de células completas feita pela DNDi. A novidade do alvo selecionado pode levar a descobertas tanto no campo da validação de alvos quando na geração de leads para a doença de Chagas.

Outros dois projetos financiados pelo GHIT se concentrarão na análise de bibliotecas de compostos disponibilizadas por dois dos principais parceiros da DNDi na área farmacêutica, uma com 37.000 compostos da Daiichi Sankyo Company, Limited e outra com 25.000 compostos da Takeda Pharmaceutical Company Limited. Os compostos serão processados em ensaios intracelulares do T. cruzi realizados pelo Institut Pasteur Korea, outro parceiro da DNDi, para a identificação de séries de hits que preencham os critérios estabelecidos pelo GHIT/DNDi  e que possam prosseguir no processo de descoberta de fármacos. Além de permitir o acesso às bibliotecas de compostos, os parceiros farmacêuticos farão contribuições em espécie aos projetos.

O GHIT apoia projetos de P&D para doenças tropicais negligenciadas (DTN) da DNDi desde 2013, incluindo os da doença de Chagas, leishmaniose visceral, leishmaniose cutânea e micetoma. O apoio do GHIT também tem sido fundamental para o sucesso do NTD Drug Discovery Booster, um consórcio global de companhias farmacêuticas que colaboram na identificação de novos tratamentos em potencial para as DTNs.

Sobre a doença de Chagas

Causada pelo protozoário parasita Trypanosoma cruzi e transmitida pela picada dos insetos conhecidos como “barbeiros”, a doença de Chagas é endêmica em 21 países das Américas e também está presente na Europa, Japão e Austrália. Ela afeta entre 6 e 7 milhões de pessoas, com 30.000 novos casos e 14.000 mortes todos os anos. As pessoas picadas tipicamente passam anos sem demonstrar os sintomas e a maioria não sabe que tem a doença. Até um terço dos infectados por Chagas acabam por sofrer danos ao coração que podem causar insuficiência cardíaca progressiva ou até mesmo a morte repentina. Todo ano, a doença mata mais pessoas na América Latina do que outras doenças parasitárias, incluindo a malária.

Sobre a Iniciativa Medicamentos para Doenças Negligenciadas (DNDi)

A DNDi é uma organização sem fins lucrativos de pesquisa e desenvolvimento que trabalha para fornecer novos tratamentos para pacientes negligenciados que vivem com a doença de Chagas, doença do sono (tripanossomíase humana africana), leishmaniose, infecções filariais, micetoma, HIV pediátrico e hepatite C. Ela coordena também um ensaio clínico em 13 países africanos para identificar tratamentos para casos leves e moderados de COVID-19. Desde sua fundação em 2003, a DNDi já lançou nove novos tratamentos, incluindo novas combinações para a leishmaniose visceral pós-calazar, dois antimaláricos de dose fixa e a primeira entidade química desenvolvida com sucesso pela DNDi, o fexinidazol, aprovado em 2018 para o tratamento dos dois estágios da doença do sono. www.dndi.org