DNDi anuncia Sergio Sosa-Estani como novo diretor executivo do escritório América Latina

O Programa de Chagas, antes a cargo de Sergio, agora terá a gestão de María-Jesús Piñazo 

A DNDi iniciou suas atividades em 2022 com duas importantes mudanças na liderança. Antes diretor do Programa de Chagas, Dr. Sergio Sosa-Estani assume o escritório da América Latina com o objetivo de levar adiante a missão de desenvolver e disponibilizar tratamentos para combater doenças negligenciadas e virais, ampliando parcerias e colaborações para pesquisa e desenvolvimento (P&D) e acesso na região.  

Formado pela Universidade de Buenos Aires, na Argentina, Sergio é médico-cirurgião e pós-doutor pela Tulane University, em Nova Orleans (Estados Unidos). Pesquisa doenças tropicais há mais de 30 anos, já tendo coordenado projetos sobre Chagas, leishmanioses, HIV/Aids, entre outras enfermidades. Exerceu o cargo de consultor na Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS/OMS) e era diretor do Instituto Nacional de Parasitologia do Ministério da Saúde da Argentina até juntar-se ao time da DNDi, em 2016, quando assumiu a liderança do Programa de Chagas.  

Já a médica María-Jesús Pinazo, que assume o antigo posto de Sosa-Estani, trabalha entre Espanha e Bolívia desde 2007. Especialista em doenças tropicais negligenciadas, ela é doutora em Medicina Interna pela Universidade de Barcelona, recebendo menção internacional e prêmio extraordinário em 2017. Logo depois, passou a atuar no departamento de doença de Chagas do Serviço Internacional de Saúde do Hospital Clínic, ligado à mesma universidade. Também coordenou o protocolo de diagnóstico de Chagas em gestantes e seus bebês na América Latina e é coordenadora técnica da Plataforma de Atenção Integral ao Paciente com Chagas na Bolívia e no Paraguai.