ANTICOV: ensaio clínico para COVID-19 em contextos de recursos limitados vai testar novo tratamento combinado de fluoxetina e budesonida

KINSHASA / NAIRÓBI / GENEBRA – 10 de fevereiro de 2022 – O ensaio clínico ANTICOV começou a recrutar participantes para testar uma nova e promissora combinação de medicamentos, fluoxetina e budesonida, para tratamento da COVID-19 leve a moderada.  

O ensaio ANTICOV, realizado atualmente em 13 países africanos e que logo se expandirá para mais países do Sul da Ásia e da América Latina, visa identificar tratamentos para COVID-19 que sejam otimizados para o uso em contextos de recursos escassos e possam prevenir a progressão para um quadro mais grave, além de potencialmente limitar a transmissão.  

“Precisamos urgentemente identificar um tratamento oral para COVID-19 que seja seguro, acessível e adaptado às necessidades específicas de países de renda baixa e média (PRBM)”, explica Nathalie Strub-Wourgaft, diretora de Resposta à COVID-19 da Iniciativa Medicamentos para Doenças Negligenciadas (DNDi), organização de pesquisa e desenvolvimento (P&D) sem fins lucrativos que coordena o consórcio ANTICOV.  

“Os antivirais para COVID-19 aprovados recentemente para uso nos Estados Unidos, na União Europeia, Índia e outros países parecem promissores na prevenção da progressão da doença quando administrados a pacientes de alto risco nos primeiros cinco dias dos sintomas. Há preocupações crescentes em relação à disponibilidade imediata desses antivirais para todas as pessoas que deles precisarem, principalmente em regiões onde o acesso a vacinas continua sendo inaceitavelmente baixo. Em países de baixa renda, menos de 6% das pessoas estão totalmente imunizadas contra COVID-19”, diz a Dra. Strub-Wourgaft.   

A nova combinação de medicamentos testada pelo ANTICOV inclui fluoxetina, mais conhecida pelo nome comercial Prozac. O potencial da fluoxetina contra a COVID se baseia em um mecanismo de ação totalmente separado de suas propriedades antidepressivas: ela inibe a capacidade de replicação do vírus impedindo sua penetração nas células, podendo também ter atividade imunossupressora. Ela é segura e está amplamente disponível. Em agosto, o estudo TOGETHER demonstrou que outra molécula pertencente à mesma classe de compostos é efetiva contra COVID-19, reduzindo mortes e internações em até 30% 

A fluoxetina será testada em combinação com budesonida inalada. A budesonida é um corticosteroide inalatório seguro e econômico conhecido pelas potentes propriedades anti-inflamatórias nos pulmões. Estudos mostraram que, se administrada na fase inicial da infecção, budesonida melhora o tempo de recuperação de pacientes ambulatoriais com COVID e pode reduzir internações e mortes. 

“Para pacientes ambulatoriais que precisem de tratamento em até uma semana do início dos sintomas, o que corresponde à situação real, as combinações de tratamentos orais que somem dois mecanismos de ação – um antiviral e um anti-inflamatório – são as opções mais promissoras”, completa a Dra. Strub-Wourgaft. “Um tratamento desse tipo será adaptado particularmente a áreas de recursos limitados, onde muitas vezes o acesso a ferramentas de teste econômicas é difícil.” 

A combinação pode ser efetiva para o primeiro estágio da infecção, de replicação viral, podendo também diminuir a probabilidade do segundo estágio, o inflamatório, que tem início alguns dias depois.  

Fluoxetina e budesonida estão disponíveis comercialmente, e o acesso e a administração serão econômicos e fáceis se a eficácia contra COVID-19 for comprovada. Este é o quinto braço de testes do ensaio do ANTICOV desde seu lançamento, em novembro de 2020. 

O ANTICOV é um ensaio de “plataforma adaptativa”, criado de maneira inovadora e flexível para permitir adicionar ou remover tratamentos à medida que surgem novas evidências. A seleção de medicamentos para o ANTICOV é informada por avaliações conduzidas pela parceria terapêutica pelo Acesso ao Acelerador de Ferramentas para COVID-19 (Access to COVID-19 Tools Accelerator, ACT-A), um grupo de trabalho de especialistas coordenado pela Unitaid e a Wellcome. 

O principal financiamento do consórcio ANTICOV vem do Ministério Federal de Educação e Pesquisa (BMBF) da Alemanha, através do KfW, e da agência de saúde global Unitaid, como parte do ACT-A. Apoio adicional é recebido da Parceria de Ensaios Clínicos dos Países Europeus e em Desenvolvimento (EDCTP), sob o segundo programa apoiado pela União Europeia com financiamento adicional do governo sueco, a Fundação Internacional Starr e a Fundação Stavros Niarchos. 

 

Imprensa 

DNDi 

Marcela Dobarro (Rio de Janeiro) 

mdobarro@dndi.org  

+55 21 98114 9429 

 

Frédéric Ojardias (Genebra) 
fojardias@dndi.org 
+41 79 431 62 16  

 

Francine Ngalula (Kinshasa) 
francinengal@gmail.com 
+243 816 402 389 

 

Linet Atieno Otieno (Nairóbi)  

latieno@dndi.org  

+254 705 63 99 09 

 

Ilan Moss (Nova York) 
imoss@dndi.org 

+1 646 266 5216 

 

Lista de parceiros do ANTICOV 

O consórcio ANTICOV mobiliza uma ampla rede de parceiros com experiência reconhecida em pesquisa clínica. Os 26 membros do consórcio ANTICOV são: 

ALIMA (The Alliance for International Medical Action), França / Senegal 

ANRS, Maladies infectieuses émergentes, França  

Bahir Dar University, Etiópia 

Barcelona Institute for Global Health (ISGlobal), Espanha 

Bernhard-Nocht-Institut für Tropenmedizin (BNITM), Alemanha 

Centre Muraz, Institut National de Santé Publique, Burkina Faso 

Centre for Research in Therapeutic Sciences, Quênia 

Centro de Investigação em Saúde de Manhiça, Moçambique 

Centro de Investigação e Treino em Saúde da Polana Caniço (CISPOC), Instituto Nacional de Saúde, Moçambique 

Centre Pasteur du Cameroun (CPC), Camarões 

Centre Pour Le Développement Des Vaccins, Ministry of Health, Mali 

Centre Suisse de Recherches Scientifiques (CSRS), Costa do Marfim 

Drugs for Neglected Diseases initiative (DNDi), Suíça (parceiro coordenador) 

Epicentre, França 

FIND, the global alliance for diagnostics, Suíça 

Ifakara Health Institute, Tanzânia 

Infectious Diseases Data Observatory (IDDO), Reino Unido 

Institute of Endemic Diseases, University of Khartoum, Sudão 

Institute of Tropical Medicine, Antwerp (ITM), Bélgica 

Institut National de Recherche Biomédicale (INRB), República Democrática do Congo 

The Kenya Medical Research Institute (KEMRI), Quênia 

Kumasi Centre for Collaborative Research in Tropical Medicine (KCCR), Gana 

Medicines for Malaria Venture (MMV), Suíça 

Swiss Tropical and Public Health Institute (Swiss TPH), Suíça 

Université de Bordeaux – Institut National de la Santé et de la Recherche Médicale (INSERM), França 

University of Gondar, Etiópia 

 

 

Sobre a DNDi 

A DNDi é uma organização sem fins lucrativos de pesquisa e desenvolvimento que trabalha para disponibilizar novos tratamentos para pacientes com doenças negligenciadas, em especial aqueles que sofrem de doença de Chagas, doença do sono (tripanossomíase humana africana), leishmaniose, filarioses, micetoma, HIV pediátrico e hepatite C. A DNDtambém está coordenando o ensaio clínico do ANTICOV para encontrar tratamentos para casos leves e moderados de COVID-19 na África. Desde sua criação, em 2003, a DNDdisponibilizou nove tratamentos novos, incluindo novas combinações de medicamentos para a leishmaniose visceral, dois antimaláricos de dose fixa e a primeira entidade química que desenvolveu, o fexinidazol, aprovada em 2018 para o tratamento dos dois estágios da doença do sono. www.dndi.org