Rede de especialistas lança manifesto para incentivar a pesquisa e desenvolvimento de testes rápidos para a leishmaniose cutânea na América Latina

CARTAGENA DAS ÍNDIAS – 03 de agosto de 2022 – A redeLEISH, Rede de Pesquisadores e Colaboradores em Leishmanioses, lançou hoje, durante o congresso internacional WorldLEISH 7, um manifesto voltado para a comunidade científica, autoridades sanitárias e financiadores, chamando a atenção para a necessidade urgente de se desenvolver técnicas de diagnóstico de simples realização para a leishmaniose cutânea (LC).  

 

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de um milhão de pessoas são afetadas pela leishmaniose cutânea por ano em todo o mundo. Pessoas afetadas pela doença desenvolvem lesões únicas ou múltiplas nas mais diversas partes do corpo, gerando estigma social, problemas psicológicos e perda econômica. Apesar de sua ampla extensão geográfica e do seu efeito devastador nas comunidades mais vulneráveis a pesquisa e desenvolvimento (P&D) para esta forma de leishmaniose continua recebendo pouco investimento.  

 

A disponibilidade de ferramentas adequadas para o diagnóstico da leishmaniose cutânea é um dos maiores desafios para atingir a meta de eliminação da doença como problema de saúde pública, estabelecida no Roteiro da OMS para as Doenças Tropicais Negligenciadas, 2021-2030. Para Joelle Rode, da Iniciativa Medicamentos para Doenças Negligenciadas (DNDi), “a falta de testes diagnósticos rápidos de alto desempenho, acessíveis e fáceis de usar na atenção primária dificulta a detecção oportuna e o tratamento precoce da leishmaniose cutânea, aumentando o sofrimento das pessoas afetadas pela doença.” 

 

No esforço de guiar o desenvolvimento de ferramentas para diagnóstico rápido, a Fundação para Novos Diagnósticos Inovadores (FIND), juntamente com especialistas, propôs um documento-base (Target-Product-Profile – TPP) com os requisitos necessários para a formulação de um teste ideal para a leishmaniose cutânea. “O desenvolvimento de um teste rápido orientado pelos critérios agora definidos e consensuados e que possa ser implementado em ambientes com estruturas e recursos limitados, deve ser uma prioridade para a comunidade científica, governos e agentes financiadores”, enfatiza Israel Cruz, do Instituto de Salud Carlos III e colaborador da FIND. Esse documento foi revisado recentemente e aprovado pelo Grupo Assessor Técnico da OMS para o Diagnóstico de Enfermidades Tropicais Desatendidas (WHO DTAG). 

 

O manifesto hoje publicado durante a 7ª edição do WorldLEISH, o evento mais importante sobre as leishmanioses no mundo, ressalta o ambiente desafiador dos países endêmicos e a necessidade urgente de maiores incentivos para a P&D de testes diagnósticos para a LC. De acordo com o relatório do G-Finder, em 2020 apenas 0,1 milhão de dólares haviam sido investidos em P&D para o diagnóstico das leishmanioses, representando menos de 0,5% do financiamento total da P&D para a doença (45 milhões de dólares). “Por meio desse Manifesto, nós pesquisadores nos comprometemos a contribuir criando uma agenda estratégica comum que vise a produção, validação, implementação e acesso a novas ferramentas de diagnóstico adequadas para a LC”, destaca Glaucia Cota, coordenadora da Referência em leishmaniose do Instituto René Rachou, Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ). 

 

Acesse aqui o manifesto em sua íntegra na língua inglesa. 

 

Contatos de imprensa 

DNDi 

Marcela Dobarro (América Latina) 

mdobarro@dndi.org 

+55 21 981149429 

 

Sobre a redeLEISH 

 

A Rede reúne cerca de 200 especialistas de 91 instituições ao redor do mundo. engajados em fortalecer as colaborações e maximizar esforços na P&D voltada para a leishmaniose cutânea. Fundada em 2014, a iniciativa oferece apoio à implementação de ensaios clínicos para avaliação de novas ferramentas terapêuticas para às leishmanioses, promove a harmonização de critérios para condução de ensaios clínicos e viabiliza o compartilhamento de informações sobre tratamento, diagnóstico e desenvolvimento de pesquisas em LC. Com representantes em 28 países, a rede funciona através de um fórum virtual, para facilitar o intercâmbio técnico-científico; da publicação de informativos anuais; e de reuniões presenciais, que permitem a identificação de prioridades de pesquisa e a articulação de projetos colaborativos. 

 

Sobre a DNDi 

 

A Iniciativa Medicamentos para Doenças Negligenciadas (DNDi) é uma organização sem fins lucrativos de pesquisa e desenvolvimento (P&D) orientada pelas necessidades dos pacientes. Com seus parceiros, a iniciativa desenvolve tratamentos seguros, eficazes e acessíveis para milhões de pessoas afetadas por doenças tropicais e virais negligenciadas. Algumas destas doenças que afetam de maneira desproporcional comunidades que já são vulneráveis e negligenciadas são a doença de Chagas, as leishmanioses, a doença do sono, o HIV pediátrico, a hepatite C, as filarioses e o micetoma. Até 2028, a DNDi planeja oferecer um total de 25 novos tratamentos nos primeiros 25 anos de existência. www.dndi.org