O Dr. Luis Pizarro é o novo diretor executivo da Iniciativa Medicamentos para Doenças Negligenciadas (DNDi)

GENEBRA – 5 de setembro de 2022 – O Dr. Luis Pizarro, médico chileno-francês especialista em saúde global, foi nomeado o novo diretor executivo da organização internacional sem fins lucrativos de pesquisa médica Iniciativa Medicamentos para Doenças Negligenciadas (DNDi). Ele substituirá o Dr. Bernard Pécoul, que fundou a organização há 19 anos.

 

A DNDi foi lançada em 2003, quando o Conselho Indiano de Pesquisa Médica (ICMR), a Fundação Oswaldo Cruz do Brasil, o Instituto de Pesquisa Médica do Quênia (KEMRI), o Ministério da Saúde da Malásia e o Instituto Pasteur da França, com a participação do Programa Especial de Pesquisa e Treinamento em Doenças Tropicais da Organização Mundial da Saúde (OMS/TDR), se uniram à organização Médicos Sem Fronteiras (MSF) depois que esta dedicou uma parte do prêmio Nobel da Paz que recebeu em 1999 à exploração de um modelo alternativo e sem fins lucrativos para o desenvolvimento de medicamentos para populações negligenciadas.

 

Desde então, a DNDi desenvolveu e lançou 12 novos tratamentos para seis doenças negligenciadas letais. Com mais de 250 funcionários de 37 nacionalidades localizados em nove centros regionais na África, sudeste e leste da Ásia, América do Norte e América Latina, a DNDi é uma organização internacional que coordena colaborações globais e sul-sul envolvendo mais de 200 parceiros públicos e privados.

 

Sob a liderança do Dr. Pizarro, que nasceu no Chile, estudou na França e liderou projetos médicos na África Ocidental e Central durante vários anos, a DNDi procurará lançar mais 13 tratamentos até 2028, ajudando na construção de um sistema mais equitativo para inovação e acesso, incluindo o combate a doenças sensíveis ao clima, o fortalecimento da inovação em saúde pediátrica, a promoção de P&D alinhada a questões de gênero e a garantia de que os benefícios das novas pesquisas e tecnologias médicas sejam estendidas aos pacientes mais negligenciados.  

 

Estou profundamente honrado e entusiasmado de assumir esta nova função,” afirma o Dr. Pizarro. “Os numerosos desafios globais que enfrentamos hoje, da mudança climática à instabilidade econômica, continuarão sendo um fardo suportado de maneira desproporcional pelas pessoas mais vulneráveis do nosso planeta. Já estamos vendo um aumento na incidência de doenças sensíveis ao clima, como a dengue, e a atual pandemia de COVID-19 tem mostrado que os frutos das inovações clínicas continuam a ser negados à maioria da população mundial. Mais do que nunca, precisamos de modelos de desenvolvimento de medicamentos sem fins lucrativos e centrados nos pacientes, como o da DNDi.

 

Médico de formação, o Dr. Pizarro foi de 2007 a 2019 o primeiro CEO da Solthis, uma organização internacional de saúde dedicada a ampliar o acesso a cuidados de saúde maternos e a tratamento para o HIV e outras doenças infecciosas na África Ocidental. Em 2020, passou a integrar a equipe de direção da Unitaid para gerenciar o portfolio de HIV e os programas de acesso relacionados da organização. É ainda fundador e membro do think tank Global Health 2030, consultor científico para Saúde Global na Sciences Po Paris e membro do conselho da Sidaction.

 

Luis trás para a DNDi um longo histórico de liderança bem-sucedida na melhoria do acesso a serviços de saúde para populações vulneráveis, uma profunda experiência em saúde global e paixão por reunir partes interessadas com ideias afins em busca de uma visão comum”, diz a Dra. Marie-Paule Kieny, diretora do Conselho de Administração da DNDi. “Ele está particularmente preparado para liderar a DNDi no próximo capítulo de sua existência e não vejo a hora para acompanhá-lo no trabalho para cumprir nossa missão e nutrir as alianças estratégicas que impulsionam nosso progresso. Em nome do Conselho, agradeço ao Bernard pela liderança e dedicação extraordinárias dedicadas à DNDi para fazer dela a parceria de desenvolvimento de produtos impactante que é hoje.

 

Sob a visão e liderança do Dr. Pécoul, a DNDi lançou 12 novos tratamentos para doenças negligenciadas, como a doença do sono e a leishmaniose, e para o HIV em crianças e bebês. Ela formou parcerias de trabalho robustas e bem-sucedidas com o setor acadêmico, instituições de pesquisa públicas e companhias farmacêuticas globais, que historicamente têm pouco interesse em doenças negligenciadas, mostrando que um modelo alternativo para o desenvolvimento de medicamentos, sem fins lucrativos e voltado para as necessidades dos pacientes, pode dar resultados.

 

Estou feliz em passar a tocha para o Luis e tenho certeza de que ele guiará a DNDi para que ela cumpra seu compromisso de lançar 25 tratamentos novos em seus primeiros 25 anos de vida”, afirma o Dr. Pécoul. “Para alcançar esse objetivo ambicioso, a DNDi deve continuar fomentando a cooperação sul-sul e as colaborações inter-regionais, integrando inovações originadas em países de renda média e baixa e fortalecendo as redes de pesquisa clínica nas regiões endêmicas. O Luis é a pessoa ideal para liderar esse esforço.

 

Pacote de imprensa 

Fotos para uso da imprensa disponíveis aqui

 

Contatos de imprensa 

 

Frédéric Ojardias (Genebra) 
fojardias@dndi.org  
+41 79 431 62 16  

 

Sobre a DNDi 

 

A DNDi é uma organização sem fins lucrativos de pesquisa e desenvolvimento que trabalha para disponibilizar novos tratamentos para pacientes com doenças negligenciadas, em especial aqueles que sofrem de doença de Chagas, doença do sono (tripanossomíase humana africana), leishmaniose, filarioses, micetoma, HIV pediátrico e hepatite C. A DNDi também está coordenando o ensaio clínico do ANTICOV para encontrar tratamentos para casos leves e moderados de COVID-19 em países de renda média e baixa. Desde sua criação, em 2003, a DNDi disponibilizou doze tratamentos novos, incluindo novas combinações de medicamentos para a leishmaniose visceral, dois antimaláricos de dose fixa, um tratamento antirretroviral de fácil uso para crianças pequenas com HIV e a primeira entidade química que desenvolveu, o fexinidazol, aprovada em 2018 para o tratamento dos dois estágios da doença do sono. www.dndi.org