Novo algoritmo-diagnóstico para Chagas na Colômbia

O projeto de implementação para a doença de Chagas na Colômbia avança. Depois de uma análise epidemiológica, os parceiros confirmaram a mudança no algoritmo diagnóstico para os projetos-piloto do país. Com o novo algoritmo, se confirmam os casos positivos para Chagas com uma prova de procedimento mais simples.

Carta do Encontro de Movimentos Sociais em Maceió

Pacientes e representantes de movimentos sociais organizaram o 1º Encontro Brasileiro de Movimentos Sociais de Luta Contra Doenças Negligenciadas, realizado durante o 52º Medtrop. No Encontro, foi criado um fórum para dar continuidade às discussões depois do Congresso e um manifesto em defesa do Sistema Único de Saúde.

Ponto de vista: Foco nos pacientes na resposta global à resistência anti-microbriana

Longe de ser uma fantasia apocalíptica, uma era pós-antibiótica na qual infecções comuns e pequenos ferimentos podem matar pessoas se tornou uma possibilidade muito real. Ultimamente, muitas manchetes vêm falado sobre ‘o fim da jornada’ dos antibióticos. O último caso que recebeu muita atenção, em maio deste ano, foi o de um paciente nos EUA que tinha uma bactéria resistente a antibióticos de último recurso.

Ponto de vista: Aproximando os pacientes do tratamento de Chagas

Pouco antes do final de 2015, o notório anúncio da aquisição dos direitos do benznidazol nos Estados Unidos (EUA) com a intenção de registro para obter um voucher de avaliação prioritária (PRV, na sigla em inglês) concedido pelo FDA, órgão americano equivalente à Anvisa responsável pela Administração de Alimentos e Medicamentos tem gerado inúmeros debates e, certamente, direciona a atenção mundial para a doença de Chagas. Esta conjuntura, apesar de todo alvoroço em torno do ex-CEO da KaloBios, expôs a dramática situação do acesso ao tratamento contra o parasita que mais mata nas Américas. Atualmente estima-se que 99% dos pacientes sofram com a falta de diagnóstico e assistência médica, segundo as recomendações da OPAS.

Tratamentos inovadores para as doenças mais negligenciadas: diversificar abordagens é necessário para expandir o portfólio de projetos com novas entidades químicas

Graeme Bilbe Abordando a falta de tratamentos adaptados para os pacientes que sofrem de doenças negligenciadas não é tarefa fácil. Estratégias iniciais de curto prazo da DNDi foram desenhadas para fornecer tratamentos melhorados mais rapidamente através de novas formulações ou combinações de medicamentos existentes e/ou melhores regimes de tratamento. Seis novos tratamentos foram entregues desde […]

E-News 2015: Leishmanioses

O parasita que causa a leishmaniose é transmitido pela picada de um mosquito. A leishmaniose é um grupo complexo de doenças com mais de um milhão de novos casos por ano e 350 milhões de pessoas que vivem em situação de risco em todo o mundo em 98 países. As formas mais comuns da doença […]

E-News 2015: Doença de Chagas

O parasita que causa a doença de Chagas é transmitido pelo “barbeiro” e também por meio de transfusão de sangue, transplante de órgãos e de forma congênita. A doença é endêmica em 21 países da América Latina, onde 70 milhões de pessoas estão em risco. Estima-se que 6 milhões de pessoas estão infectadas na região e o número de pacientes cresce em países não endêmicos e de alta renda. Embora os tratamentos disponíveis hoje (benznidazol e nifurtimox) sejam eficazes, existem desvantagens, incluindo os longos períodos de tratamento e os efeitos secundários. Hoje, estima-se que menos de 1% de pacientes são tratados.

História de Vida: Duámaco Escribano

Duámaco Escribano não sabe quantos anos tem. Seu documento de identidade diz que tem 29 anos, mas aqueles que o conhecem acreditam que deve ter 25 ou 26. Na comunidade indígena a que pertence, os Koguis, um dos quatro grupos étnicos que vivem em Sierra Nevada, na costa norte da Colômbia, a vida não é medida em anos, mas começa com o nascimento e termina com a morte, não importa o quanto dure.

Ponto de vista: Projeto FACT

[Junho 2015]
Jean-René Kiechel, consultor sênior para fármacos e gerente de produtos

Projeto FACT: uma abordagem de sucesso para solucionar necessidades de saúde pública

E-news DNDi: Doença de Chagas

“A doença de Chagas mudou completamente minha vida”

Para Juan Bautista Corzo Veloza – de 53 anos e pai de três filhos – a vida não é a mesma desde aquele dia em janeiro de 2013, quando um derrame o deixou “morto por três dias”, como ele diz. Juan já havia se aposentado da Polícia Nacional, mas seguia trabalhando como motorista. Neste dia, estava trocando um pneu quando sentiu uma dor aguda no peito e começou, lentamente, a perder a consciência.

Ponto de vista: Chagas na Colômbia

[Abril 2015]
Rafael Vilasanjuan, IS Global, e Eric Stobbaerts, DNDi América Latina – membros da Coalizão Global para doença de Chagas

Doença de Chagas na Colômbia: oportunidade para inspirar mudanças

E-news Fevereiro 2015 DNDi

Dor à flor da pele.  Leishmaniose cutânea: como uma doença não fatal pode ser uma ameaça à vida das pessoas Nascido e criado em Chocó, na costa Colombiana do Pacífico, há cerca de um ano Serafin Moreno, mineiro de 40 anos, acreditava que iria morrer.  A primeira ferida apareceu na testa, a segunda no braço. […]

Ponto de vista E-news Fevereiro 2015

[Fevereiro 2015]
Dr. Bernard Pécoul, Diretor Executivo, DNDi
Situações de crise finalmente terão a tão esperada resposta das lideranças políticas para a falta de inovação e acesso?

Situação de P&D em setembro de 2014 : programa para a doença de Chagas da DNDi

A doença de Chagas é transmitida pelo inseto barbeiro e também por transfusão de sangue, transplante de órgãos e transmissão congênita. Ela é endêmica em 21 países da América Latina, onde appoximadamente 100 milhões de pessoas correm risco de contrair Doença de Chagas. Estima-se que 8 milhões de pessoas estejam infectadas na região, mas o número de pacientes também vem crescendo em países não-endêmicos de alta renda. Embora os tratamentos atualmente disponíveis (benzonidazol e nifurtimox) mostrem boa eficácia, eles ainda apresentam desvantagens, como longo período de tratamento e efeitos colaterais.

Situação de P&D em setembro de 2014 : programa para a leishmaniosis da DNDi

A Leishmaniose é uma doença transmitida pela picada do “mosquito palha”. De caráter complexo, a cada ano surgem mais de um milhão de novos casos, bem como 350 milhões de pessoas em 98 países  correm o risco de contrair Leishmaniose. A doença se apresenta  de diversas formas, sendo as mais comuns a leishmaniose visceral (LV), […]

Aprendendo a entregar resultados: Desafios da pesquisa e desenvolvimento de medicamentos para doenças tropicais negligenciadas

Dr. Graeme Bilbe, Diretor de Pesquisa e Desenvolvimento, DNDi
A DNDi e outras organizações sem fins lucrativos de pesquisa e desenvolvimento (P&D) têm explorado novos caminhos de P&D para desenvolver e oferecer tratamentos seguros, adaptados e acessíveis para o tratamento das doenças negligenciadas. A maioria dessas direções têm mostrado sinais de sucesso, enquanto vários têm enfrentado desafios que abrangem os processos de descoberta e desenvolvimento de medicamentos.

Otimização de Compostos Líderes

DNDi lança programa inovador voltado às primeiras etapas de pesquisa na América Latina

Uma das mais importantes conquistas da DNDi na América Latina é o início do projeto Otimização de Líderes América Latina (LOLA, na sigla em inglês), que implementa atividades focadas nos primeiros passos de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) de medicamentos: a descoberta de novos compostos. Este é um passo crucial da ampliação dos projetos de P&D na região.

Demonstração de Financiamento

“Demonstração de Financiamento: Considerações para um Fundo Comum Internacional Piloto para P&D”

Um novo estudo recentemente comissionado pela DNDi examina as possibilidades de criação de um fundo comum internacional de P&D para os projetos demonstrativos que foram selecionados como parte do processo após o relatório do Grupo de Trabalho Consultivo de Especialistas em Pesquisa e Desenvolvimento (CEWG) da OMS: “Demonstração de Financiamento: Considerações para um Fundo Comum  Internacional Piloto para P&D.”

Descoberta: como o modelo PDP pode aperfeiçoar e acelerar o processo de P&D?

A descoberta de novos medicamentos na modernidade e a luta contra as DTNs: Como o modelo PDP pode aperfeiçoar e acelerar o processo de P&D?

Importantes avanços ocorreram nos últimos anos para otimizar o uso dos medicamentos existentes para o tratamento de doenças tropicais negligenciadas (DTN); entretanto, apesar de terem proporcionado melhorias urgentes em tratamentos anteriores, geralmente são inadequados. Ainda há a necessidade urgente de projetar e desenvolver novos medicamentos para o tratamento dessas doenças.